Quem somos?

A Seção de Aprimoramento das Competências Gerais e Valores Institucionais (SAVAL) tem por finalidade contribuir com o desenvolvimento de competências comuns a todos os servidores do Superior Tribunal de Justiça, dos valores institucionais e das ações de apoio à cidadania (programas Visitação Técnica e Conexão Cidadã). Possui também a responsabilidade de coordenar a sala de inovação do CEFOR e preparar a ambientação dos novos servidores do STJ.

Programas e Projetos

Ambientação de Novos Servidores

O programa tem como objetivo principal recepcionar os novos servidores e orientá-los sobre a importância de se ter uma visão sistêmica do Tribunal. Os servidores são sensibilizados quanto ao seu papel de agentes públicos e de cidadãos na prestação de serviços de excelência, buscando satisfazer adequadamente as necessidades dos clientes internos e externos.

Vivenciando Valores no Tribunal da Cidadania (VIVA STJ)

O programa VIVASTJ é composto por alguns projetos que visam a idealização e implementação de ações voltadas para a vivência e sensibilização acerca dos valores organizacionais (comprometimento, ética, transparência, sustentabilidade e aprendizagem contínua). Nesses projetos são oferecidos workshops, palestras, jogos e outras metodologias para difundir a importância dos valores institucionais do STJ.

Visitação Técnica para estudantes de Direito de todo o País

O programa Visitação Técnica é um evento de uma semana de atividades para proporcionar aos alunos conhecimentos teóricos e práticos sobre a missão, o funcionamento e o papel do STJ no universo jurídico.

Coaching* para servidores

O Programa de Coaching para servidores é dividido em dois tipos: Coaching Individual e Coaching de Equipes. No Coaching individual, o servidor inscrito terá a oportunidade de desenvolver competências com o apoio de um coach. O foco do processo será, obrigatoriamente, para desenvolver competências profissionais. Já no Coaching de equipes, o processo será facilitado por um coach, que atuará como um facilitador/treinador, aplicando ferramentas e dinâmicas para trabalhar diversos aspectos, envolvendo competências técnicas e, principalmente, comportamentais relacionadas ao trabalho em equipe.

*O processo de coaching, segundo Catalão e Penim (2013, p. 5), “facilita a tomada de consciência, a identificação de potencial, a obtenção ou reforço de autoestima, a definição de objetivo, a elaboração e monitorização de planos de ação para a performance do seu coachee”
CATALÃO, João Alberto; PENIM, Ana Teresa. Ferramentas de Coaching. 7. ed. Lisboa: Lidel, 2013. 280 p.